Pular navegação

Category Archives: Política


Dilma_Rousseff

Prezada V. Ex.ª, antes de mais nada, meus PARABÉNS pela conquista histórica ao ter se tornado a primeira mulher presidente da república.

Não tenho idéia do peso de uma conquista desse porte mas fico torcendo para que V. Ex.ª tenha adquirido, ao longo de sua trajetória, força suficiente para carregá-la até o “fim”.

Como costuma dizer um “conhecido” meu, “every body lies”. Sou obrigado a concordar e ainda a complementar: todo mundo mente, e muito. Por causa disso, só me resta torcer para que V. Ex.ª não tenha feito isso durante sua campanha. E, caso não o tenha feito, torcer também para que não comece agora.

Eu, assim como aproximadamente 40 milhões de brasileiros que não votaram em V. Ex.ª, estamos torcendo para que tudo que V. Ex.ª disse no seu pronunciamento de vitória sobre democracia, liberdade de imprensa e liberdade de religião e cultos seja, além da mais pura verdade intencional, se torne também a mais pura realidade concretizada num futuro breve.

Além disso, tenho mais alguns poucos pedidos que gostaria de fazer publicamente à V. Ex.ª através desta “carta aberta”.

Inclua também na lista de V. Ex.ª a liberdade não-religiosa e a liberdade a culto nenhum. A liberdade de poder não fazer parte de nenhuma religião e de nenhum culto é tão importante quanto a de fazer. Não podemos vir a ser discriminados pelo fato de não nos enquadrarmos em nenhuma das religiões existentes e predominantes em nosso país. Devemos continuar livres para podermos pensar livremente.

Por favor V. Ex.ª, não cometa o erro do homem que a colocou no poder.

Não sei se foi a trajetória de um torneiro mecânico até chegar a ser um estadista respeitado mundialmente que tenha mexido demais com sua mente.

Não sei se foi o altíssimo índice de popularidade que pode ter causado a ele a sensação de ser um semi-deus ou memso um homem escolhido por “Ele” para salvar o Brasil.

Não sei.

O que sei é que hoje acredita que não erra. Que não comete mais falhas. Que não avalia de forma errônea alguma situação. Ele tem mesmo certeza disso. É uma pena que a presidência tenha feito isso com ele.

Por favor V. Ex.ª, não cometa o mesmo erro.

Infelizmente Lula provou isso mais uma vez, justamente no dia da eleição de V. Ex.ª, ao dizer que é uma “palhaçada” o que estão tentando fazer com o Tiririca. Com isso ficou claro que ele perdeu alguma noções básicas.

O que estariam tentando fazer com o Tiririca? Que eu saiba apenas tentando verificar se de fato ele sabe ler e escrever. Então isso seria uma “palhaçada”? Segundo Lula então estaria certo um candidato analfabeto assumir um cargo público com a responsabilidade de elaborar projetos de melhorias sociais?

E quanto à “palhaçada” feita por Tiririca ao ter apresentado aos órgãos eleitorais uma declaração falsa atestando sua alfabetização? Segundo Lula é assim que devem agir os futuros políticos em nosso país?

Por favor V. Ex.ª, não cometa o mesmo erro.

Eu e mais 40 milhões de eleitores que não votaram em V. Ex.ª estaremos de olho. Por favor não brinque com a popularidade. Não chegue a acreditar que V. Ex.ª estará isenta de falhas assim como seu padrinho eleitoral. Cuidado com os deslizes. Afinal, a popularidade de V. Ex.ª não se mostrou tão mais alta assim do que a de seu concorrente.

Lembre-se também que, em apenas alguns meses, sem Lula implorando a seus discípulos, a candidata do Partido Verde conseguiu praticamente 50% do número de eleitores que elegeram V. Ex.ª. Não seria muito inteligente ignorar isso.

Boa sorte para V. Ex.ª e para todos nós.

Anúncios

AteTuObamaDecepção. Por essa eu não esperava. Mais um erro meu. Deveria esperar.

Diz Obama: "Pacotes vindos do Iêmen representam AMEAÇA TERRORISTA REAL".

As suspeitam recaíram sobre a Al Qaeda.

Já vi esse filme?

Diz Obama: "Sabemos que a Al Qaeda na península arábica continua planejando ataques contra nossa terra e nosso povo. Os agentes de combate ao terrorismo no nosso país estão levando o assunto muito a sério e estão tomando as medidas necessárias".

Claro. Como poderia ser diferente?

E com isso os EUA reforçam as medidas contra o terrorismo em todo o país. E é justamente essa "resposta" de Obama a mais essas tentativas de atentado a principal razão de mais essa encenação acontecer.

O motivo? Mais uma vez, as eleições. Desta vez quando o governo democrata norte americano está prestes a perder a maioria no congresso.

Exatamente a mesma receita de bolo foi utilizada antes pelo governo republicano de Bush filho. E a receita do terrorismo, do medo e da "resposta à altura" deram certo. Bush não só teve sua eleição fraudulenta oficializada automaticamente como até mesmo conseguiu um segundo mandato.

O que é decepcionante pra mim é Obama estar tentando utilizar a mesma receita de bolo. Decepcionante e inesperado.

Só que desta vez creio que ao tiro sairá pela culatra e quem irá se beneficiar de tudo isso será nada mais nada menos que a figura medonha de Sarah Palin.

O futuro dos EUA volta a escurecer…


Ser_Humano_AtualNão me lembro de uma eleição com tamanha influência religiosa como esta, o que me leva frequentemente a me perguntar se o Brasil é ou não de fato um país laico.

Se estamos num país laico, por que então um de nossos candidatos a presidente da república cedeu às pressões de grupos religiosos ao publicar uma carta aberta contendo as concessões morais, éticas e religiosas que resolveu fazer caso seja eleita?

Se a constituição oficializa o laicismo do Brasil, na prática estamos mudando essa característica, pois, pela primeira vez, cedemos a pressões religiosas deixando, com isso, a religião começar a influenciar de fato na maneira como o país será governado.

Estamos constatando um regresso, uma volta ao passado, escolhendo uma forma de pensar mais primitiva e em direção a revivermos o obscurantismo histórico pelo qual várias nações já passaram e outras continuam exercitando. Uma pena.

Sem dúvida, a liberdade, em todos os aspectos e segmentos que compõem tanto um indivíduo quanto uma sociedade, é o bem mais valioso que se pode alcançar. Mas esse bem valiosíssimo não se conquista facilmente pois, ao mesmo tempo que é algo a ser alcançado, é também consequência de investimentos prolongados em vários setores de uma sociedade.

Numa sociedade avançada e, por consequência, livre, são fatores essenciais dessa condição a liberdade religiosa e intelectual do indivíduo. Numa sociedade como essa, crer em algo preestabelecido é aceitável. A identificação individual com uma das religiões é totalmente aceitável. Já a imposição de uma identificação individual ou coletiva com um dos padrões religiosos existentes é totalmente inaceitável.

Uma sociedade avançada possui o conhecimento necessário dos processos vigentes responsáveis pelo bem-estar e melhoria da mesma, assim como o conhecimento dos processos históricos e culturais que os levaram a resolver de fato seus problemas básicos.

Com esse conhecimento conquistaram a capacidade de diferenciar, assim como de valorizar, os princípios e mecanismos que, na prática, geraram qualidade de vida de teorias e crenças que apenas os colocavam numa situação de dependência de poderes sobrenaturais teoricamente superiores.

Aprenderam que, na prática, tais poderes sobrenaturais teoricamente superiores, causavam apenas a segregação e a perda da noção do coletivo. Por isso respeitam entre si indivíduos com acreditam em coisas diferentes, pois não colocam qualquer crença num patamar mais importante do que suas conquistas reais.

Uma sociedade avançada, livre, e não perfeita, jamais voltará a abrir mão da sua total liberdade individual e coletiva de observar, analisar e questionar qualquer coisa à sua volta pois aprendeu que sem isso estarão condenados à estagnação e, com o tempo, ao desaparecimento.

Nunca antes na história deste país se pensou a médio e longo prazos. E continua não se pensando. Não há a menor evidência da formação e implantação de qualquer plano diferenciado de uma instrução adequada e diferenciada. E, para complementar, agora passa a existir a influência religiosa nas futuras formas de governo.

Ao contrário de uma sociedade livre, avançada, estamos invertendo as coisas ao dar mais prioridade a crenças do que a mecanismos e valores que na prática possam gerar conquistas reais. O caminho à nossa frente mostra-se muito perigoso e arriscado. Mas como olhar para frente e enxergar o resultado do que estamos plantando se não se pensa a médio e longo prazos?

Talvez uma das coisas mais duras de se constatar é que somos nós mesmos que queremos isso. Não sou cristão e muito menos religioso mas talvez aquela frase extremamente conhecida e amplamente divulgada até hoje nunca tenha feito tanto sentido: Pai, perdoa-os pois não sabem o que fazem.

Mas eis o problema: o universo parece não ouvir quem dele não se lembra…


Sugiro também a leitura do post Campanha OUT! no blog Visão Alienígena.



TiriricaComo não escrever mais um pouco sobre política? Se a proposta deste blog é registrar algum tipo de reflexão, acho razoável escrever um pouco sobre os resultados das eleições de hoje, pois os mesmos podem nos mostrar algumas coisas sobre nós mesmos.

Se por um lado a derrota de Lula, não elegendo sua candidata logo no primeiro turno, mostra que as pessoas parecem estar pensando mais, por outro lado, a eleição de Tiririca e Garotinho como os deputados federais mais votados do Brasil mostram que as pessoas deixaram de fato de pensar.

O que acontece então? Difícil saber e cedo para arriscar um palpite. Mas creio que posso fazer algumas observações.

Ao não eleger Dilma logo no primeiro turno, Lula sofreu um duro e pesado golpe. De fato é assim que ele preferiu não aparecer e assim não vincular sua imagem com esse fato. Lula hoje pensa que é Deus, ou alguém muito próximo a “Ele”. Ele mesmo se auto-proclamou “O cara do Cara” (este segundo “Cara” seria “Ele”). Sua alta popularidade fez esse e outros estragos com Lula e foi muito interessante, até mesmo aliviante, constatar que sua visão se si mesmo está muito além da realidade. Enfim, diferente do que ele pensa, sua palavra não é uma ordem.

Mercadante foi outro golpe duro no trabalho de cabo eleitoral de Lula. A certezas de Lula não são as certezas de todos. Mais uma vez, um alívio.

Durante o horário de propaganda eleitoral fui muito surreal assistir Mercadante dizer que os deputados e senadores do PT não falavam uma coisa e faziam outra. Oras, ele mesmo tinha feito isso recentemente ao ter pronunciado em cadeia nacional que, frente à postura de Lula e do PT a respeito do escândalo Sarney, ele renunciaria ao Senado e ao PT e, após uma conversa com Lula, voltou à imprensa e mudou de idéia. Bem, pelo visto, nem todos esquecem.

Ainda para complementar a frustração com Mercadante, Lula ainda teve o desprazer de ver Aloysio Nunes como o senador mais votado para São Paulo. Mas nem tudo é decepção para ele uma vez tendo elegido Marta como segunda senadora.

É muito provável que Dilma acabe superando Serra no segundo turno. A possibilidade é bem grande. Mas o que quero destacar aqui é que alta popularidade não atribui a ninguém a capacidade de prever e de concretizar a realidade como se deseja. Isso seria apenas megalomania, típica de um cara que se acha “O cara do Cara”.

Mas o que leva Tiririca a ser o deputado federal mais votado do país? Será que o exemplo de um toneiro mecânico ter chegado à presidência está sendo levado ao extremo pela população e passaram então a acreditar que quanto mais intensamente despreparado estiver o candidato melhor será para o povo?

Pude assistir a um analista político questionando a si mesmo se esses votos seriam de protesto ou se ainda teriam uma intenção mais inteligente por trás. Mas infelizmente essa é uma possibilidade muito remota. A possibilidade com mais base na realidade é que seriam mesmo votos “burros”, de eleitores completamente despreparados, muitíssimos mal informados e sem qualquer noção temporal de causa e efeito, ação e reação, fato e consequência. “Pior que tá não fica”?. Ficou. E muito.

Além do congresso passar a conviver com alguém que assume publicamente que não tem a mínima idéia do que faz ou deveria fazer um deputado, com mais de um 1.300.000 votos, Tiririca acaba levando junto com ele para o congresso outros vários deputados que nem chegaram a aparecer na propaganda política, que também não possuem qualquer conhecimento administrativo e que, inclusive, chegaram a pertencer ao esquema do mensalão do PT. Será que os eleitores de Tiririca também tinham essa noção?

Seria Tiririca a constatação de que passou a ser “legal” contratarmos, para um determinado cargo ou função, justamente a pessoa que diz que não tem a mínima idéia de como cumprir tal função? Você faria isso em sua empresa ou negócio? E ainda levaria, de brinde, outros vários com o mesmo perfil e ainda criminosos? Talvez você não cometeria um ato de ignorância e burrice dessa magnitude. Mas mais de 1.300.000 (um milhão e trezentos mil) brasileiros o fizeram. Isso mostra alguma coisa sobre nós? Com certeza.

Mas isso é tudo? Seria esse o único sinal de que tem algo errado conosco? Antes fosse. Mas e a eleição de Antony Garotinho como deputado federal? Trata-se do segundo candidato mais votado para essa função. E ainda tem gente que diz que o crime não compensa?

Garotinho foi preso e está respondendo a dois processos por crimes como formação de quadrilha, desvio de dinheiro público, rombo financeiro após seu governo no Rio de Janeiro, uso abusivo e irregular da força policial também no Rio de Janeiro e diversas outras irregularidades. De forma que chega a me assustar, mesmo com a polêmica (deveria ser polêmica?) questão da “ficha limpa”, Garotinho conseguiu uma liminar de um juiz que deu a ele o direito de concorrer à eleição para deputado federal. E de forma que me assusta mais ainda, foi o segundo deputado mais votado, perdendo apenas para o palhaço. Como explicar essa preferência do eleitorado por esse perfil?

É claro que essas poucas informações, aliadas ao cenário político como um todo, e a todas as questões que surgem dessa realidade ampla e obscura, é assunto para vários livros e não para um simples post. Mas quero concluir opinando que os assuntos abordados neste post mostram problemas gravíssimos nas duas pontas: problemas com o eleitor e com os candidatos. Mas um problema não seria apenas consequência do outro? Ambos não se retroalimentam?

Vejam, o que é preciso para trabalhar numa empresa do governo? O que eu preciso fazer para vir a trabalhar em empresas como o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federal? Oras, preciso aguardar a publicação de abertura de vagas e me inscrever para um concurso público? Ou seja, para que eu consiga a vaga pretendida, para ser um funcionário público, eu preciso provar, através de várias provas, com várias matérias e modalidades, que estou bem preparado para cumprir tal função. E não basta eu estar preparado, tenho que ser um dos mais bem preparados. Mas isso bastaria? Claro que não.

Eu conseguiria a vaga, mesmo sendo um expert, tendo ficha suja, ou melhor, tendo antecedentes criminais? Ou eu conseguiria a vaga tendo o nome sujo no SPC ou no SERASA? Eu seria considerado “confiável”? Enfim, como acham que empresas como o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica chegaram aos patamares atuais se não existissem tais critérios para seus funcionários públicos?

Mas e quanto aos funcionários das câmaras municipais, do governo estadual, do congresso e senado federais e do planalto? Não são funcionários públicos também? E por que nesse caso podem entrar analfabetos e criminosos para trabalhar? Qual seria a diferença que justificaria isso?

Até quando será assim? Quando as candidaturas a cargos políticos (funcionários públicos como do BB e da Caixa) serão aprovadas apenas para pessoas sem antecedentes criminais? Quando tais candidaturas, após terem passado pela peneira policial, passarão a ter suas aprovações sujeitas a provas e exames do mesmo nível aplicado hoje pelo Banco do Brasil e pela Caixa Econômica? Por que não se investe nesse sentido?

Será que esse tipo de mentalidade e atitude então exigiriam uma mudança agressiva na qualidade da educação no Brasil como um todo? E será que esse investimento maciço na educação nacional, com o passar do tempo, não eliminaria totalmente a existência de um perfil de eleitor que hoje vota no Tiririca e no Garotinho? Será que um investimento maciço na educação, ao longo do tempo, não acabaria substituindo uma realidade precária existente hoje nas “duas pontas” (eleitor e candidato) por uma realidade política-educacional amplamente mais madura e responsável?

Bem, as respostas a tais questionamentos são puramente óbvias. E, para nossos legisladores, investir na qualidade da educação ao longo do tempo é o mesmo que admitir o fato de perder a “boquinha”. Uma decisão muito difícil para eles. Tanto é que nunca o fizeram. Enquanto isso vamos assistindo a continuidade do declínio, pois pior do que “tá” fica sim.